Muitas pessoas imaginam que acessar uma solução web pelo smartphone é a mesma coisa que utilizar um aplicativo nativo.  A princípio pode até parecer que ambos tem a mesma função e que o resultado será o mesmo, mas na prática podemos ver que são soluções bem diferentes.

Vamos pegar  como  exemplo um aplicativo de automação de força de vendas nos dois cenários.  Imagine que o vendedor tem acesso pela internet à uma página onde o mesmo pode implementar os pedido de vendas capturados em campo.  A princípio esta página deverá se adequar aos diversos padrões de telas e modelos dos celulares, além disso não utilizará recursos de hardware disponíveis nos celulares como gps, câmera fotográfica, etc..  Imagine  que empresa queira saber a localização exata do representante no momento da venda. Isto pode ser facilmente  implementado utilizando o gps do smartphone.  A utilização da câmera também pode ser bem útil, como por exemplo permitir que o vendedor tire fotos do ponto de venda, faça pesquisas de campo, etc.

Mas maior diferença é que o acesso à aplicação  precisa  de sinal de internet, que infelizmente nem sempre está disponível. Um aplicativo de força de vendas nativo, bem desenvolvido e configurado, irá permitir que o vendedor  faça o pedido de vendas mesmo que o dispositivo móvel  esteja off-line ( sem sinal de wifi, 3G ou 4G ) e que o mesmo seja enviado ao ERP quando o sinal de internet estiver disponível novamente.

Resumidamente,  a solução pelo  acesso à uma página pela web ( desde que o sinal internet esteja disponível) funciona, mas é  limitada se comparada a um aplicativo nativo que   bem implementado irá aproveitar os recursos do hardware e do sistema operacional dos smartphones. Fornecendo assim, segurança nas informações, agilidade, mobilidade, flexibilidade e rapidez na realização das atividades  feitas em campo.